Pastor Levy de Abreu Vargas

ANIVERSÁRIO DE NILÓPOLIS

Apesar da pandemia, na última sexta feira 21 de agosto, o Prefeito Farid reuniu em seu gabinete representantantes de várias religiões para o que chamou de Culto ecumênico afim de celebrar o aniversário e sinalizar que Nilópolis é uma cidade inclusiva e diversa.

As “Crônicas de Nilópolis” contam que a Cidade surgiu de um loteamento promovido pelos irmãos João e Manoel Alves de Miranda, donos da fazenda São Mateus cuja atividade principal era criar cavalos para o Exército. Este loteamento chamou a atenção de investidores, entre eles o Coronel Júlio de Abreu que comprou muitos lotes e influenciou alguns amigos a fazerem o mesmo. Os lotes mediam 12,5m de frente por 50m de fundos e podiam ser pagos em suaves prestações. Isso aconteceu lá pelos idos de 1913.

Com o adensamento urbano, chegaram também famílias evangélicas que trouxeram consigo a fé e o ardor evangelístico, que foi aos poucos mudando a identidade religiosa da cidade. Antes a população era composta principalmente por Católicos Romanos, Espíritas kardecistas, Afrodescendentes de diferentes matizes e Judeus. Em 1922 chegaram os Presbiterianos, em 1926 os Metodistas, em 1927 os Congregacionais, em 1935 a Assembleia de Deus e em 1939 os Batistas. Estas foram as matrizes que deram origem às demais Igrejas Evangélicas, mas Nilópolis não é apenas Evangélica, ela é Espirita, Muçulmana, Budista, Mórmon, Messiânica e até mesmo o lar de ateus e agnósticos que vivem em harmonia apesar das diferenças, afinal é ela que nos proporciona toda essa riqueza cultural.

A iniciativa de reunir líderes de religiões diferentes foi inédita e deu beleza à celebração, afinal como já dizia John Wesley: “No que é essencial devemos ter unidade, naquilo que não é essencial liberdade e em todas as demais coisas a caridade”, que é o amor ao próximo como nos ensinou o Senhor Jesus, portanto, parabéns Prefeito Farid e povo Nilopolitano por mais um aniversário de nossa Cidade.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Primeira Igreja Batista em Nilópolis

EU, YOUTUBER!

Tenho publicado vídeos diários nos grupos de WatsApp, Face, instagram e YouTube, mas nunca tive a pretensão de ser um profissional das redes sociais. Os vídeos surgiram por necessidade e foram se multiplicando e se espalhando com tal intensidade que perdemos o controle. Cinco meses de pandemia e dezenas de vídeos, centenas de compartilhamentos e milhares de visualizações, tudo porque tivemos que fechar o templo.

O Coranavirus produziu mais que afastamento social, ele privou as pessoas do contato físico, da liberdade de ir e vir, espalhou o pânico, a ansiedade e a angústia por conta de tanta notícia ruim que chegava através dos noticiários, então pensamos que alguma coisa precisava ser feita para reverter essa onda de pessimismo e recuperar a autoestima e o otimismo tão característicos da vida Cristã.

Em verdade, nosso desejo era produzir um conteúdo diário que chegasse às pessoas e lembrasse a importância que tinham para o Senhor. O projeto era escrever o texto e gravar a locução olhando direto para a câmara, algo bem simples, direto ao ponto, sem edição, olho no olho, para produzir um efeito coloquial. Longe de mim a intenção de me tornar um “YOUTUBER”, mas tecnicamente foi o que aconteceu, pois o “Doutor Google” informa que Youtuber é alguém que cria conteúdo para o YouTube.

Mas não estou sozinho nesse negócio. Para cada vídeo que você vê e ouve há um trabalho intenso de bastidores que ninguém imagina. São muitas horas de preparação que às vezes se perde porque o produto final não ficou bom. Para gravar eu dependo da Leonor. Ela faz a revisão dos textos, opera os celulares (sim gravamos com a câmara do telefone), coloca a música de fundo e escolhe minhas camisas. Depois vem o trabalho do Thiago que publica nas redes sociais e aí entra o trabalho mais importante que são as dezenas de amigos que compartilham a “produção” com seus contatos.

Para concluir, apenas uma correção ao tema, não é “EU YOUTUBER!”, mas “NÓS YOUTUBERS!!!”

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

ADORADOR E ADORAÇÃO

No projeto para o centenário da Igreja em 2039, fizemos o propósito de realizar 100 Jornadas de orações, isso mesmo cem jornadas diluídas em vinte módulos de cinco capítulos a cada ano. Cada jornada com um tema relevante para a comunhão, instrução, edificação, adoração e serviço Cristão. Já realizamos três, na próxima semana faremos a quarta, em outubro a quinta e assim, sucessivamente a cada ano faremos cinco, se mantermos a disciplina cumpriremos todo o projeto.

Alguém pode perguntar, mas Pastor por que tudo isso? E eu respondo: para nossa comunhão, instrução, edificação, adoração e serviço Cristão. Sempre esses propósitos, sempre esses objetivos, sempre buscando uma qualidade melhor de vida espiritual, sempre buscando a unidade da Igreja e a glorificação do nome do Senhor. Não é sacrifício, não é campanha, não estamos em busca de bênçãos materiais ou experiências extraordinárias, pois tudo isso já temos recebido de Deus, agora é aprender administrar e usar com sabedoria o que Ele já colocou em nossas mãos.

Uma semana pode parecer muito, mas é pouco. Serão apenas 90 minutos diários, uma ninharia comparado aos 1440 minutos que recebemos todos os dias. Isso é menos do que gastamos diariamente nas redes sociais e diante da TV nos noticiários. É um investimento que vale pelo seu resultado e creio que nos ajudará compreender melhor o nosso papel no Reino de Deus, e melhor é um investimento sem custo para quem vier.

O Preletor convidado é o Bispo Jaime Coelho Ribeiro da Igreja Edificação em Cristo. Ele foi membro por mais de vinte anos do grupo musical “Comunidade Evangélica de Nilópolis” e viajou o Brasil inteiro ministrando em cruzadas e apresentações da banda. Depois que saiu do grupo o Senhor o chamou para o Ministério Pastoral e ele tem sido um bom exemplo de liderança Cristã em Nilópolis.

Então não esqueça: Na próxima semana, de segunda a sexta feira às 19.30h nós temos um compromisso com a Igreja para nossa comunhão, instrução, edificação, adoração e serviço Cristão.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

A HORA DE VOLTAR AO TEMPLO

Hoje, 02 de agosto de 2020, estamos retomando as atividades dominicais pela manhã. É muito importante registrar isso em nossa publicação semanal para que dentro de cinco, dez, cinquenta anos, quando alguém quiser se informar sobre a como a Igreja reagiu à pandemia, ela saiba que agimos com grandeza.

Fechamos as portas do Templo, mas não a do coração. Neste período a Igreja se manteve viva e ativa todos os dias pelas redes sociais, pelos aplicativos e por meio de contatos telefônicos. A oração tornou-se o vínculo da unidade pelo Espírito Santo. O grupo INTERCESSORES (criado antes da pandemia) foi a porta que ficou aberta 24h por dia, 07 dias por semana para que pedissem orações e compartilhassem as vitórias e foram muitas. Vi pedidos aflitos feitos às duas da madrugada e, antes que o dia amanhecesse, o Senhor já tinha dado a resposta.

Nesse período todos se “reinventaram” e passaram a fazer reuniões virtuais. Até o GIDO aprendeu a usar o “Meet”, o “Zoom” e o “Duo”. Uma idosa escreveu no grupo de WhatsApp da PIB Nilópolis: “Graças à Pandemia, meus filhos me deram um TV Smart grande e eu pude ver meu Pastor pregando na televisão da minha casa”. É verdade, muita coisa boa aconteceu nesse período.

Agora que a fúria do vírus está sendo controlada, achamos que é hora de voltar. Voltar para rever os irmãos, voltar para celebrar a vida, voltar para agradecer a Deus, voltar por que precisamos da comunhão e da interação humana que aplicativo nenhum é capaz de suprir.

Durante a pandemia pedimos que você não viesse, agora nosso apelo é que venha. Venham de máscaras, obedeçam às regras de aproximação, evitem o toque físico e quando voltarem para casa, sejam criteriosos com seus pertences, lavem as mãos e, se possível, um banho e roupas limpinhas. Relaxem e aproveitem o domingo em família. À noite faremos a transmissão normal às 19.30h, mas para poupar a equipe e nossas famílias o Templo estará fechado.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

LUTE A SUA GUERRA

Você já deve ter ouvido que a crise é uma grande bênção para revelar o que há de pior e melhor na natureza humana. É na crise que aflora a criatividade, é na crise que surge a solidariedade, é na crise que também se revelam os fortes, os fracos, os corajosos e os covardes.

Em Provérbios 24.10 lemos: “Se te mostrares frouxo no dia da angustia, sua força será pequena”. Em outra versão o mesmo texto foi traduzido assim: “Se você vacilar no dia da dificuldade, limitará seu poder de ação” (NVI). Esse provérbio nos lembra de que a vida nos trará toda sorte de experiências: boas e ruins, doces e amargas, alegres e tristes, mas essa é a vida. Não por acaso o salmista Davi escreveu: “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”. E esse NADA FALTARÁ é nada mesmo, não vamos passar pela vida impunemente, ela nos trará toda sorte de experiências, pois esse é o tempero da vida.

Na fase boa devemos desfrutar sem culpa, mas na fase ruim devemos lutar com garra, com determinação, com coragem e mesmo sabendo que é uma luta inglória, não se deixe vencer pelo medo.

No filme “Desafiando Gigantes” o treinador de futebol Americano, Grant Taylor está com problemas pessoais em casa e enfrentando oposição com pais de alunos que querem forçar sua substituição. Seguindo a mensagem de um visitante e sua força interior ele tenta inspirar a equipe a usar a fé e a garra para vencer os obstáculos… E vence. Tinha tudo para perder e se fez vitorioso, tudo porque lutou com as armas que tinha… É um filme extraordinário que merece ser visto mais de uma vez.

Não se deixe abater, não se dê por vencido sem pelo menos tentar, pois é na fraqueza que descobrimos a força que temos. Lembre-se que se você for fraco ou vacilar no dia da dificuldade, sua força será pequena e seus movimentos serão limitados, portanto tenha fé em Deus, seja forte e corajoso e enfrente sem medo as suas “Guerras”.

E quando vencer seja humilde, trate o adversário com respeito e dignidade, mas mostre a ele de onde veio sua coragem e determinação.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

CHAMEM OS JOVENS!

Estamos em plena pandemia e não sabemos quando vai terminar. A Igreja fechou suas portas para os cultos públicos por exatos três meses, mas atendendo a um decreto Municipal reabrimos com restrições desde 21 de junho, mas a resposta tem sido pequena em relação às nossas expectativas, então orando e buscando a direção do Senhor ele falou: “CHAMEM OS JOVENS”!

Na verdade eu não tinha pensado nisso, achava os jovens por vezes tímidos, inseguros, instáveis e temperamentais. Ademais, eles estão muito ocupados estudando, jogando no computador, postando nas redes sociais, começando e terminando namoros numa velocidade vertiginosa… Não, eu não pensei neles. “Mas deveria ter pensado” – falou a voz interior, enérgica, quase gritando.

Levei tempo para entender que era o Senhor mesmo quem estava falando. Ele também me trouxe à memória que José era jovem quando foi tirado da cadeia para governar o Egito. Josué era um jovem quando foi enviado com Calebe para espiar a terra prometida. Davi era jovem quando aceitou o desafio de lutar com o gigante Golias. Daniel e seus amigos eram Jovens demais na corte de Nabucodonosor, e mesmo assim deram conta do recado. Jesus era um jovem, os apóstolos também, enfim, quanto preconceito com os jovens e quantas histórias eles protagonizaram, então o problema não eram os jovens, era eu mesmo. Que vergonha!

Então, queridos jovens, o Senhor nos mandou convocá-los para ocupar um lugar de honra na história presente e futura desta Igreja e da sua geração. Ele os convoca para ser protagonistas e coadjuvantes de uma história épica e fascinante que começa a ser escrita por aqueles que creem no poder de Deus, têm a força e a fé para serem usados por Ele num tempo cujos pais já deram sua cota de sacrifício.

Jovens, é a hora e creio que vocês não decepcionarão. Se você nasceu a partir dos anos 80, esteja solteiro ou casado, tenha filhos ou não, esteja trabalhando ou a espera de uma oportunidade, de preferência que esteja bem ocupado (Deus não chama ociosos), venha no domingo 02 de agosto pela manhã que o Senhor tem uma missão para você.

Primeiro domingo de agosto será “O START” de um novo tempo para o qual você deve estar preparado.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

VIR OU NÃO VIR, EIS A QUESTÃO.

Desde o terceiro domingo de junho (21/06/2020), franqueamos a presença facultativa nos cultos, mesmo assim, com padrões rígidos de segurança e controle sanitário na entrada do Templo. A presença tem sido tímida, mas estamos felizes em rever irmãos sedentos do contato físico (mesmo à distância) cantando e louvando a Deus com alegria.

Como não há uniformidade na comunidade Evangélica, cada Igreja segue seu próprio líder: algumas Igrejas abriram suas portas de forma irrestrita, outras (como a nossa), com algumas limitações e outras não vão abrir, mas ainda assim continuamos a ser Igreja servindo ao Senhor de onde estivermos, mas todos sabemos como o contato humano nos faz bem.

No próximo domingo (19/07/20), estaremos celebrando a Ceia do Senhor pela segunda vez nesta pandemia e ainda a faremos com a distribuição dos kits que usamos no mês passado. Eles são a forma mais segura, higiênica e confortável de trazer à lembrança o símbolo da nossa comunhão com a Igreja e o Senhor Jesus Cristo. No mês de Julho a presença será facultativa, mas eu encorajo especialmente aos jovens, jovens casais com filhos e amigos para que venham, temos cerca de 150 lugares com muita segurança para trazer à memória aquilo que alimenta nossa alma.

Na verdade, estamos fazendo uma experiência nova, lenta, gradual e segura para não expor os irmãos, mas também não perder o vínculo da fé que se fortalece essencialmente em nossas celebrações coletivas. Estamos tão otimistas que planejamos reiniciar os cultos dominicais da manhã no primeiro domingo de agosto, mas entendam, isso é uma possibilidade e não uma promessa.

A decisão de vir ao Templo é pessoal. Desde o início da pandemia sempre estive ciente dos riscos que corria em razão da idade, da excessiva exposição pública e a demanda diária da Igreja. Eu corria risco em sair de casa, mas o risco também existia dentro de casa, então optei em fazer o que precisava ser feito cercado de todo o aparato de “guerra” que a ocasião exigia e graças a Deus até aqui Ele me ajudou. Mas se você não tem urgência ou demandas externas, fique em casa e o Senhor também estará contigo.

Vir ou não vir ao culto presencial é uma decisão que cabe apenas a você. Se tiver paz, venha. Se não tiver, fique em casa. Mas não deixe de participar da Ceia, ela é o símbolo da nossa comunhão.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

“HOME OFFICE, ABAIXO AS INSTITUIÇÕES”

O Home Office é uma expressão que ganhou força nestes tempos de isolamento social. Com o fechamento obrigatório das atividades consideradas não essenciais, escassez de transporte e os riscos iminentes de contaminação, um contingente enorme de pessoas passou a cumprir as suas tarefas de casa plugado a um servidor de internet.

Mas o que parecia ser uma oportunidade de conforto e autonomia, passou a ser um pesadelo para os profissionais que viram sua agenda e vida privadas devassadas pelas demandas de sua empresa e da família confinada em um espaço limitado. Reuniões, tarefas, prazos, cobranças e ameaças começaram a fazer parte de uma rotina que antes tinha hora de começar e terminar.

A Igreja também ganhou sua versão “Home Church”. Os cultos são online, a Escola Bíblica Discipuladora também. Os Ministérios se reinventaram e até celebrações de aniversário se fazem de “corpo ausente”. Até a celebração da Ceia do Senhor teve que ser remota, tudo à distância, tudo muito tecnológico e ruim, pois as ferramentas não funcionam 100%. O grande ganho de tudo isso foi ver idosos se superando e participando das reuniões do GIDO.

Mas os danos desse tempo só poderão ser mensurados depois que acabar a pandemia, se ela acabar. As empresas verão seus números crescerem ou diminuírem, mas perderão a vida nos refeitórios, os diálogos dos corredores e elevadores. As escolas já estão desertas, os pátios vazios e os professores dispersos. Os Templos vazios, as luzes apagadas, nenhum contato, nenhuma história, nada a comentar após os cultos…

Concluindo: Home deveria ser apenas lar, Office apenas escritório, Church apenas Igreja, e Class apenas classe, pois quando se juntam a outros nomes a coisa não fica legal. Afinal, Casa é casa, trabalho é trabalho, Templo é Templo e escola é escola. Não deixe que este “vírus chinês” acabe com essas instituições.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de ABreu Vargas

INIMIGO NOSSO

Na última quarta feira, 24 de junho de 2020 encerramos a transmissão com um apelo: “Por favor, não assistam aos telejornais”. Sinceramente não acredito que serei ouvido, mas o recado foi dado e quem tem ouvidos ouça o que o Pastor tem para a Igreja.

No dia seguinte (quinta feira) fui a um exame preventivo com minha “medica da família” e enquanto ela prescrevia alguns exames desabafou: “ A ansiedade está fazendo mais vítimas que a pandemia”. Segundo ela, o número de pessoas ansiosas e desestruturadas emocionalmente está crescendo assustadoramente, e concluiu: “Nunca receitei tanto remédio controlado“!

Nossos maiores inimigos não são os que estão do lado de fora. Esses a gente previne, cuida, cumpre o protocolo, evita contatos e vai avançando sem grandes problemas, mas os que habitam o nosso interior, são algozes, insensíveis e sádicos. Não temos controles sobre eles, na verdade são eles que nos controlam. Você já tentou controlar a mente? O metabolismo, as emoções, os sentimentos …Não temos tanto poder.

Se eles são indesejáveis e difíceis de serem controlados, então vamos ser proativos e dificultar a sua chegada com ações preventivas que possam arejar a mente e sanear o coração. Diga não a tudo que não edifique, não abençoe, não seja saudável, não tenha virtude, não seja justo e verdadeiro e a minha lista começa com os telejornalismos, qualquer um, todos são tendenciosos, deturpam os fatos e tentam controlar sua mente. A mesma notícia é reverberada em diferentes tons o dia inteiro e isso te deprime, pois o que de fato é notícia são as más notícias. “Good News, no News”, é o lema jornalístico no mundo inteiro.

Controle o que entra pelos seus olhos, seus ouvidos e sua boca. Use máscara, álcool gel, faça atividades físicas, veja mais comédia e menos drama. O inimigo vai te odiar… e vai sair.

Pastor Levy de Abreu Vargas

Pastor Levy de Abreu Vargas

LIÇÕES PARA NÃO ESQUECER

Nada como uma pandemia para nos lembrar o quanto somos vulneráveis. Nada como o isolamento forçado para mostrar quanto vale a liberdade, nada como o risco de vida para revelar o quanto somos medrosos e nada como um tempo como esse para revelar o melhor e o pior de cada um.

A Covid 19 revelou todas essas coisas silenciosamente. Conhecemos os bravos soldados de uniforme branco que morreram no front dos hospitais, mas também os covardes que se omitiram, se esconderam e se furtaram às obrigações. Conhecemos gente responsável que desde o início fez o que era certo para a prevenção da vida, e os irresponsáveis que por rebeldia, ideologia, cegueira ou tolice pregavam a anarquia e a desobediência. Alguns pagaram com a vida.

De todas essas lições, a mais gritante foi a nossa fragilidade: uma dor de cabeça intensa, uma diarreia prolongada, a ausência de olfato e gustação, uma mancha discreta em uma tomografia, a falta de ar, o desconforto e o isolamento em um centro de tratamento intensivo. De repente sua casa ampla se reduz a um leito, sua conta bancária e as bandeiras dos seus cartões de crédito não importam, seus amigos não podem lhe ver e se morrer, poucos lhe assistirão. O protocolo limita em seis e no máximo dez pessoas nos funerais. Somos tão frágeis, vivemos tão pouco, tudo passa tão rápido.

Mas esse período foi muito importante para a Igreja. A Instituição sobreviveu, se adequou, se reinventou e até se multiplicou, se não em números, pelo menos em atividades. Às quartas e domingos se formavam dezenas de pequenas congregações diante da televisão, computadores ou celulares para participar dos cultos. Grupos de oração se multiplicaram. A solidariedade vive seus melhores momentos e esperamos que não acabe.

A pandemia vai passar como tudo passa, mas as lições jamais serão esquecidas.

Pastor Levy de Abreu Vargas