Posts

José Carlos de Freitas

“Viva o poder de transformar.”

“..Deus não nos deu o espírito de temor..mas de equilíbrio” II Tm 1:7

Atualmente o mundo vive em extremos perigosos. Há uma divisão nítida em vários setores da sociedade.
Todo o excesso é insensato. Decisões extremadas demonstram irresponsabilidade – tanto o exagero da coragem quanto a falta dela, por exemplo. Portanto, o equilíbrio é sempre recomendável em todas as instâncias da vida. Como igreja de Cristo, precisamos trazer conosco, e nunca perder de vista, a sensatez e o equilíbrio, que são exemplos para vida. Pv. 3:21 e 22. Ser moderado nos conduz às ponderações necessárias à vida sem, no entanto, perder o alvo proposto: cumprirmos a vontade de Deus. Paulo teve uma vida intensa com grande demonstração de afeto pelos seus irmãos, viveu pelo poder do Espírito, e ensina que Timóteo deveria pautar-se pelo equilíbrio e a temperança em suas decisões e relações comunitária.

A sobriedade e a mansidão de Paulo permeiam a carta, ainda que Timóteo enfrentasse os resistentes, deveria demonstrar por eles graça e misericórdia, que é o equilíbrio nas relações. Conservar a palavra de Deus em nós sempre nos conduzirá e, nos unirá em torno de um propósito, para cumpri-lo de forma equilibrada. Os danos causados pela pandemia na economia mundial não foram suficientes para o retorno de sequer um missionário do campo. Tivemos uma perda significativa de 40% das ofertas em razão da desvalorização do euro e do dólar, que perdeu seu poder de aquisição. Por um grande milagre, abrimos mais igrejas fora do Brasil do que dentro dele. Saímos de uma campanha missionária com a proposta realizada, que é de informar à igreja dos desafios que acontecem no mundo; e trazer à memória da PIBN o que ela é: a manifestação de Deus na humanidade.

Temos parte em todos os programas e projetos da Junta de Missões Mundiais, mantidos pelos Batistas brasileiros, com nossas ofertas e orações.Há 2000 missionários espalhados nos 85 países, nos cinco continentes, que têm levado esse evangelho ao mundo. Entre os 10 países mais pobres do mundo, os batistas brasileiros, através da JMM, estão em 7 deles. Deus nos capacitou, de maneira que o seu Espírito cheio de poder, coragem, amor e equilíbrio, manifestasse suas virtudes em nós. “Viva o poder de transformar”, com equilíbrio nas relações.

José Carlos de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo PIBN

José Carlos de Freitas

Viva o poder de transformar com amor

“..Deus não nos deu o espírito de temor..mas de amor” II Tm 1:7

“Até o último homem”. Trata-se da história real de Desmond T. Doss, que foi retratada em filme. Desmond era um médico do exército americano que vai à segunda guerra e se nega a usar armas. Durante a batalha de Okinawa, ele salva 75 soldados feridos, retirando-os da linha de tiro inimiga. Seu trabalho como médico mostrou-se tão relevante quanto os que dizimavam os inimigos com suas potentes armas. Desmond foi condecorado com honras pelos relevantes serviços prestados na salvação de tantos, sem disparar um tiro. A bíblia diz que “o verdadeiro amor lança fora o medo.”, IJo 4:18. Desmond deixou o medo, muniu-se de coragem e amor. Seu empenho no resgate e cuidado aos feridos proporcionou-lhes salvação.

Transformar o mundo passa a ser uma grande utopia, se não enxergamos no contexto bíblico o próximo como nossa responsabilidade. Somente com o poder do Espírito Santo estamos habilitados a amar, e contribuir na transformação do entendimento dos que estão mortos e cegos espiritualmente. Atualmente, nos dias em que a ordem é nos cuidar, precisamos transformar o “amai-vos uns aos outros..”, em ações práticas de amor. Tal como Desmond, Paulo, o apóstolo, submeteu-se ao risco voluntário e incalculado, em razão do amor pelos irmãos, aqueles que deveriam provar da salvação, II Tm 2:10.

Somos orientados pela palavra de Deus ao caminho da fé, do amor, da paz, da busca de um coração puro, sem contendas, de mansidão e aptidão ao ensino. Portanto, “conhecemos o amor nisto: Que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.” IJo 3:16. Enquanto Desmond resgatava seus amigos da morte em pleno os tiros inimigos, fazia a seguinte oração: “Deus, ajude-me a ajudar só mais um.” Viva o poder de transformar com amor, para cuidar do outro.

José Carlos de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo

José Carlos

Viva o poder de transformar com coragem

“..Deus não nos deu o espírito de temor..” II Tm 1:7

Quando pensamos em uma vida de coragem, nos lembramos de personagens bíblicos relevantes. Paulo, o apóstolo, é uma referência. Nele encontramos a definição de uma vida corajosa. Não se trata de virtude humana, que se firma na força do braço, ou se estriba em seu próprio entendimento. Mas, é o próprio Cristo, sendo formado em nós, que compartilha conosco essa sua virtude.
No caminho de Damasco, Paulo foi profundamente afetado por Jesus, a quem perseguia. Sua vida se resumiu em pregar a Cristo, fugir de perseguidores e ser preso. Sofreu apedrejamento, ameaças, prisões, naufrágios, açoites, abandono e, trazendo consigo a tristeza no seu consentimento na morte de Estêvão. Devemos viver a profundidade e a gravidade de uma vida na dimensão da vocação que recebemos.
Somos pelo apóstolo inspirados, não à busca do sofrimento, mas de um compromisso incisivo com Cristo. As perseguições e aflições acontecem à medida que vivemos um Reino que não é desse mundo.
A coragem leva Paulo a assumir seu papel no mundo. – II Tm 1:9 “Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação;” Jesus esclareceu aos discípulos que eles sofreriam perseguições. Portanto, precisavam de algo além da sua boa vontade, ou o ímpeto na conquista dos campos brancos para a ceifa, para cumprirem seu chamado. Eles precisavam do “poder para testemunhar..” At 1:8.
Há aqueles que, por vocação, vão aos campos missionários por um curto período. Outros dedicam suas vidas, como a missionária Analzira Nascimento, já por longos 44 anos no campo, sendo 17 deles em Angola.
Paulo mostrou ao jovem Timóteo que precisava se posicionar em benefício dos seus irmãos: “Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna.” v. 10. Nossa coragem deve colaborar para levar o homem à paz com Deus.
Há no mundo, três mil povos nos quais não há sequer uma pessoa convertida.
São cerca de três bilhões de pessoas, ainda não ouviram o evangelho. Na Ásia, 60% da população não conhece a Cristo. Há partes do mundo onde a alfabetização é inferior a 30%, e a estratégia é a distribuição de bíblias em áudio para esses povos.
Nossa vocação não se sustenta a partir das demandas no mundo, nem se firmam em emoções fugazes, mas no cumprimento do propósito.
Venceremos as barreiras na vida com a coragem do Espírito. Por isso, somos orientados pela palavra de Deus a abandonar o medo, e submeter nossa vida a Ele, independente dos riscos da rejeição.
A coragem nos foi dada para cumprirmos o nosso propósito no mundo.

Min. José Carlos
Ministério de Missões e Evagelismo

Ministro José Carlos

“Viva o poder de transformar”

Temos como igreja mais uma oportunidade de servir ao Senhor, dessa vez, através da campanha de missões mundiais 2021, cujo objetivo é sermos despertados, e atendermos ao chamado missionário além de nossas fronteiras, fazendo discípulos de todas as nações. Nesse período, compartilharemos desafios e conquistas da evangelização mundial.

Somos desafiados a viver o poder de transformar, enquanto há países completamente fechados ao evangelho, como a Coréia do Norte, que desde o ano de 2002 ocupa a lamentável posição de 1º colocada no mundo, no quesito perseguição aos cristãos.

Estima-se que nesse país, há de 50 a 70 mil cristãos presos em condições precárias, por declararem sua fé. Eles retratam fielmente os discípulos de Jesus. Como Paulo, o apóstolo, que, enquanto preso em Roma, escreve ao jovem Timóteo: “sofre comigo as aflições de Cristo..”, pois os que estão em Cristo padecerão perseguição.

A perspectiva de Paulo era um evangelho que manifestava o poder de Deus, que liberta das trevas, e traz perdidos para a Luz, transformando seu entendimento, renovando suas esperanças.
A vida acontece em meio às transformações. Por isso, Jesus diz sobre a semente que ao cair na terra deve morrer, caso contrário, não geraria vida e frutos, perdendo sua finalidade. Ele falava de sua morte, que estava sob o propósito do Pai, e, com isso, atrairia muitos até ele.

Durante este mês, buscaremos cooperar para que a igreja refine sua consciência missionária; que entenda a perspectiva da evangelização a partir de seu propósito no mundo.
Paulo constrange nosso coração quando diz que a igreja de Cristo conhece a condição de sofrimento da humanidade “..que geme e está com dores de parto até agora.”, e, diante desse quadro, a criação “..aguarda a manifestação dos filhos de Deus”. A manifestação da igreja ao mundo é feita mediante as virtudes de Cristo. Embora façamos muito, sejamos operosos, se não formos confundidos com o Cristo, não “cairemos na graça do povo.”

Assim como Moisés, somos canal de Deus para a libertação de muitos que estão entregues à servidão. Portanto, as mais de 2 bilhões de pessoas que nunca ouviram do evangelho de Cristo, que sequer possuem uma folha da bíblia ou representatividade cristã onde moram, precisam viver esse poder que transforma suas vidas.

Viver o poder de transformar é submeter-se à condução do Espírito; é ter a compreensão plena do nosso papel diante de um mundo caído e rebelde, mas que é alvo do amor de Deus.
Viver o poder é termos entendimentos, estilos de vida, princípios, relações, transformados à luz do Espírito de Deus, a fim de sermos testemunhas, em todo o tempo, em todos os lugares, buscando alcançar todas as pessoas com o evangelho.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões&Evangelismo

Nilton José da Silva

Primeiro Amor

Sou grato ao acordar,
sou grato ao me levantar.
Sou grato pelo pão, diante do Eterno em oração.
Sou grato por meus amigos, pela igreja, por meus irmãos em Cristo.
Sou grato por demandas boas e ruins que a vida proporciona a mim.
Em tudo dou graça!
Haverá sempre em meu coração : GRATIDÃO!!
Tudo porque o meu Deus, além de me dar vida, se importa comigo.
Então, quero ser instrumento dessa ação, estender ao meu semelhante a minha mão.
Levar a mensagem do meu Salvador
através de atitudes movidas por seu amor. Amor repartido, que cuida, dá esperança e transforma vidas. Amor verdadeiro, que emana do coração de Deus e me envolve por inteiro.
Por tanto amor, eu sou grato! Por isso, amo, porque Ele me amou primeiro.

Nilton José da SilvaRedação vencedora do II concurso de Redação&Desenho Missionário da PIBN “Porque Ele me amou.”

José Carlos Dias de Freitas

“Porque Ele me amou” – Multiplico Discípulos

Não é a força nem o poder, mas o amor que motiva o ser humano as mais nobres atitudes. Ele é capaz de empenhar sua vida em favor de um propósito, e romper as barreiras sociais, religiosas e culturais em si mesmo.

Multiplicar discípulos é um mandamento deixado por Cristo. Ele amou e ensinou com o objetivo de que fossemos, hoje, tão incisivos quanto Ele no cumprimento da vontade do Pai – “Ide, fazei discípulos..” Mt 28:19.

Jesus confiou aos seus amigos o mais profundo do seu coração. Ele chorou por seu amigo Lázaro, lamentou sobre Jerusalém, e os incitou que orassem com Ele no momento de sua angústia no Getsêmani.
Estar com alguém, ensinar-lhe as escrituras, não é exclusivamente multiplicar discípulos. Jesus imprimiu de forma indelével nos seus, o seu propósito de vida – “dar a sua vida pelos amigos”, IJo 3:16, pois “Não existe maior amor do que este: de alguém dar a própria vida por causa dos seus amigos.” Jo 15:13. Ele queria que seus discípulos andassem e amassem como Ele.
Paulo mostra que multiplicar discípulos é dedicar sua vida, abdicando do seu bem estar, da segurança de seus planos, para formar Cristo em outras pessoas.

Na iminência de entrar em Jerusalém, Paulo é avisado pelo Espírito, e ratificado por outros irmãos de que ali o “esperam prisões e tribulações.” O apóstolo estava “pronto não só a ser preso, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus.” Atos 20:23 e 21:13b. O compromisso de Paulo na multiplicação de discípulos é constrangedor e inspirador, ao menos para mim. Ele trata essa multiplicação como uma ação urgente e imperiosa.

Nossa Junta de Missões Nacionais mantém, em todos os estados do Brasil, projetos missionários com o objetivo de multiplicar discípulos de Cristo em campos pioneiros, com ênfase nos povos não alcançados. Em 2019, os batistas brasileiros organizaram 13 novas igrejas em nosso país. Somos hoje 925 missionários batistas, onde 70% deles atuam entre os povos menos evangelizados. Em 2019, foram criados 73 novos projetos de plantação e revitalização de igrejas; e 1.170 batismos realizados por meio de Missões nacionais. Suas ofertas e orações têm promovido essa obra.

Portanto, “Porque Ele me amou”, multiplico discípulos, e promovo condições para que nossos missionários sejam instrumentos de Deus no crescimento e fortalecimento de igrejas espalhadas em nosso território. Façamos isso, Porque Ele nos amou.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões & Evangelismo

José Carlos Dias de Freitas

“Porque Ele me amou” – AMO

O amor de Deus é o agente que viabiliza todas as relações, seja humana ou divina. Não há abordagem com tamanha eficácia capaz de restaurar relações interpessoais, independentes de sua afinidade e natureza, “porque o amor cobrirá uma multidão de pecados.” IPe 4:4b

“Nós o amamos porque Ele nos amou primeiro”, IJo 4:19, é a divisa da nossa campanha de missões nacionais de 2020, e o que denota essa condição é o amor de Deus, que não começou em nós, mas nos alcançou e nos transformou.

O apóstolo Paulo ratifica a indisposição do coração humano de amar por si: “porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum.”, Rm 7:18. Amar como Cristo, é competência do Espírito Santo de Deus, e, demonstrado, explicitamente, na Sua obra redentora. Esse amor não traz passividade ou busca de benefícios pessoais, mas atitudes altruístas, que se presta a Amar, Multiplicar, Ofertar e Repartir com o próximo. Tal mandamento não deve ser ignorado, pois dele depende nosso conhecimento de Deus; nosso senso de pertencimento a Ele e a evidência de que nascemos Dele.
Ter a oportunidade de provar do amor de Deus, e conhecê-lo, é a essência para a vida de todo o ser humano.

É excelente oportunidade, em plena campanha de missões, meditarmos sobre as nossas motivações. Toda a ação de Deus se explica em seu amor, e não é motivada pela necessidade humana. Esse mesmo amor deve nos mover em direção às pessoas, não exclusivamente às suas carências.

Nossa essência e natureza, quando estamos em Cristo, é o amor. “Disso somos feitos.” Portanto, “Porque Ele me amou”, assim também o faço, e com atitudes de compaixão e graça, ao perdido. Faço isso no amor herdado de Cristo, que “..deu a sua vida por nós..” ensinando que “..nós devemos dar a vida pelos irmãos.” (IJo 3:16).

A igreja de Cristo foi tirada do pecado, mas não foi tirada do mundo, está aqui, para ensiná-lo a amar, através de seu próprio testemunho, buscando cessar a crise de amor que há na humanidade.

Quando nossas atitudes se assemelham a de Cristo, rompemos o maior desafio. Daí, atuaremos como Paulo, que na iminência de entrar em Jerusalém, embora o Espírito dissesse que ali o aguardavam “prisões e tribulações”, ele não reputou a importância de sua vida em detrimento ao amor pelos irmãos: “Mas em nada tenho minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.” At. 20:24

Tudo isso, “Porque Ele me amou”, diria o apóstolo.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões&Evangelismo

Minha semente de fé.

“Transforme o mundo com a alegria de Jesus”, ofertando.

Tão importante quanto a chegada é o caminho percorrido…”. Neste ínterim, entre a largada e a chegada, precisamos considerar o percurso, que vai definir o saldo, os frutos da nossa caminhada. Porque não basta chegar, precisa haver qualidade no caminho. Só posso esperar um destino diferente se mudo o meu rumo, o meu entendimento. Nesta senda não posso me deter em mim mesmo, buscando suprir-me, sem observar o contexto em que vivo.

Há um projeto desenvolvido pela Ação Social de nossa igreja chamado “Desapega”, que talvez devesse ter sido aplicado ao povo de Israel. Esse povo que peregrinou por 40 anos no deserto, cuja geração saiu do Egito e não entrou na terra prometida, foi uma geração que não se desapegava, que trazia a reboque o Egito em suas mentes: uma vida de murmuração, idolatria e constante insatisfação com Deus.

Transformar o mundo…” requer a minha transformação, e o entendimento da Palavra de Deus como premissa.
Há uma demanda que Deus confiou a nós; que não nos foi dada por pastores ou líderes: “…ide e fazei discípulos de todas as nações.” Ide – não é apenas nos determos ao anúncio do que cremos, mas sermos parte do que cremos. Não é apenas confiar na resposta de Deus, mas sermos essa resposta. Não é o nosso senso de responsabilidade ou tão somente nossa devoção ao Senhor que nos faz obedecê-lo. Antes de tudo, precisa haver o convencimento pelo seu Espírito de que é realmente a mim que Ele diz: “ide.” Esse imperativo foi dado à igreja, e não a um “punhado” de missionários. Essa ordem abarca os pilares necessários: a oração, o sustento missionário, a mobilização de pessoas e o compartilhar a Verdade.

Se compreender que estou em missão, aliado aos milhares de missionários no mundo, vejo que “O campo é mundo”. Portanto, estou em meu campo missionário.
Passo a crer que o coração e mente do Senhor estão sobrepostos aos meus, alinhando-me a Ele. É gerada em minhas entranhas uma grande insatisfação, não mais com minhas conquistas, bênçãos aguardadas, sonhos não realizados, ou minha enfermidade não curada, mas vivo fitando a lastimável condição espiritual de mais de 3 bilhões de pessoas perdidas, vivendo nos países da janela 10×40, e um Deus que me olha e pergunta: “Quem irá por nós…

Já não são mais os meus termos que prevalecem na caminhada. Minha atenção, agora, está nas placas indicativas, que antes eram ignoradas. Na minha caminhada, não atuo mais como o sacerdote ou o levita da parábola, mas passo à condição de samaritano, que abri mão do seu tempo; que usa o que tem, muda o percurso, para sarar as feridas de um abandonado desconhecido.

Transforme-se, e “transforme o mundo com a alegria de Jesus.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões & Evangelismo

Missões Mundiais

“Transforme o mundo com a alegria de Jesus.”

A necessidade de sermos transformados apenas ratifica a experiência negativa sofrida pela humanidade na pós-formação – a deformação. Muitos ignoram para o que nasceram: homens e mulheres que vivam consoantes à glória de Deus.

Deus confiou à Igreja a missão de colaborar na transformação do mundo em seu entendimento errôneo de autossuficiência; e, no mesmo viés, devemos colocar sub judice, uma provável transformação do entendimento da igreja de Jesus sobre sua perspectiva de transformação e salvação do mundo.

Em meio ao contexto vivido pelo apóstolo Paulo, de prisão e perseguição, que agora se alastra, tornando-se uma realidade aos Filipenses, ele estimula a igreja que tenha “alegria” nas adversidades. Essa carta é conhecida como “a carta da alegria”, apesar da realidade paulina depor contra.

A transformação que o mundo necessita não está na solução de seus problemas, aparentemente insolúveis à humanidade, como a extinção da intolerância, mas na mudança do seu entendimento, Rm 12. Nosso papel é manifestar a mensagem do evangelho, em todo o tempo, a todas as pessoas, em todos os lugares, com a própria vida, cujo fito é a mudança do entendimento daqueles que: “..o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus..”, II Co 4:4. Com o profeta Jonas não é diferente: “Nínive tem mais de 120 mil seres humanos que não sabem nem discernir entre a mão direita e a esquerda, tampouco entre o bem e o mal…”. (Jn 4:11)

Os discípulos andaram com aquele que transformou e salvou muitos da observância da lei, e do entendimento errôneo da libertação da opressão de Roma aos judeus. Não devemos nos curvar em suprir o mundo daquilo que ele imagina precisar, mas, levar à humanidade o necessário à sua transformação, a mensagem que transforma vidas: “arrependei-vos.”

Com a mudança do entendimento, há mudança no comportamento. O mundo carece da “manifestação dos filhos de Deus”, pois “..toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora.” ( Rm 8:19, 22)

Enfim, “transformar o mundo com a alegria de Jesus” é impactar o mundo com a mesma disposição de Habacuque em alegrar-se no Senhor: “..ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira..”, Hc 3:17. Nossa alegria não deve estar firmada nas condições favoráveis da vida, mas deve ser perene.

Fomos transformados, não para nosso deleite, mas para fazermos como o apóstolo, que viu sua vida como suprimento à necessidade espiritual dos seus irmãos, Fp 1:24-25: “Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne…e permanecerei com todos vós para proveito vosso e gozo da fé..”

Ter a alegria de Jesus é vivermos satisfeitos, ainda que as mudanças não ocorram, pois em nós já houve a transformação do nosso entendimento.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões & Evangelismo

JMN 2019

Multiplicar Discípulos

Talvez durante as campanhas em nossa igreja não tenhamos desenvolvido um tema tão contundente que nos remeta a uma responsabilidade espiritual de proporções tão impactantes e eternas – minha razão de viver, multiplicar. Quando faço essa afirmação, tiro o foco de mim e ponho na obra redentora do Cristo, que é eficaz. Jesus tinha como “sua comida fazer a vontade do Pai.” Se assim o faço, morro para o mundo e vivo para Deus.

O ciclo da vida humana se resume a nascer, crescer, reproduzir e morrer. No entanto, em Jo 12:24, Jesus, falando da sua morte, diz que “se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto.” Nesse processo, a morte antecede a reprodução. Torno-me fértil e multiplico discípulos se me submeto ao processo de “morte” diária, como disse Paulo: “pois morrestes, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.”

O imperativo diante da morte é darmos frutos, como Jo 15:16 diz, pois fomos escolhidos, nomeados e enviados ao mundo para darmos frutos a partir do poder de Deus em nós. O processo de multiplicação começa em mim, e não no outro, com senso de responsabilidade e expectativa de que Deus me torne fértil. Para eu multiplicar discípulos preciso criar, em mim, um ambiente adequado para a semente morrer e germinar. Também só multiplico discípulos à medida que a vida de Deus flui através da minha “morte”. Quando há muito de mim em mim mesmo e pouco do Cristo, percebo que não morri. Quando minhas emoções e meu “senso de justiça apurado” constantemente determinam minhas ações, percebo que ainda estou vivo. Preciso morrer! Por isso, Paulo insta com os colossenses que pensem nas coisas do alto, não nas que são daqui da terra, “porque morrestes, e a vossa vida está oculta com Cristo.” Nossa natureza terrena nos trai. “Mas, agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência… Não mintam uns aos outros… mas revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou.” Disso depende a minha fertilidade.

Que a morte do Cristo nos inspire, pois assim como Jesus “atraiu a todos com sua morte”, Jo 12:32, que nossa morte e a nova vida nele permita que outros discípulos nasçam, a partir do seu poder operando em nós.

Min. José Carlos Dias de Freitas