Missões

Primeira Igreja Batista em Nilópolis

Esperança mesmo em terras devastadas

Nos dias de hoje, a nossa volta, há todo tipo de violência, corrupção e tantas outras situações indesejáveis, além, é claro, desta pandemia.

O sofrimento tem gritado alto e assustadoramente. Mas diante de tudo isso, histórias de transformação como a de Claudete, nos fazem acreditar em dias melhores. Ela tinha uma alma inóspita, muito semelhante ao deserto de Jeremias, mas que foi visitada por aquele que é a nossa esperança da glória. Era verão de 2014, ela estava na máquina de costura quando fomos apresentados pela sua filha Juliana. Calada e observadora nos recebeu com reservas. Foram muitas visitas e cafés intencionais para que discretamente houvesse uma abertura maior ao ponto de convidarmos esta terra de Jeremias para aprender da maravilhosa e transformadora Palavra de Deus. “Ok, eu faço estudo bíblico, mas não me peçam para ler a Bíblia para vocês”.

A caminhada da esperança iniciou-se ali! Claudete, como ela mesma diz, era uma mulher sem fé, triste, infeliz, frustrada em muitas questões da vida e que vivia um relacionamento abusivo e sem perspectiva. Ela representava muitas mulheres carentes de Cristo em nosso campo missionário no Sul do Brasil. No verão de 2015, na cidade de Estância Velha (RS), ela desceu as águas. Mas a missão não termina no tão festivo batismo. A caminhada discipuladora continuava. Dia a dia ela crescia, fazia ajustes na vida, liberava perdão pelas mágoas sofridas, se aproximava de Deus cada vez mais. Vida na vida caracterizavam o nosso convívio com ela. Se lembra da esperança de Jeremias? Pois é, Deus transformou a terra arrasada em uma mulher feliz, segura, livre de abusos e salva! Claudete hoje é líder das Mulheres Cristãs em Missão de nossa igreja, lidera mulheres a oração, constrói relacionamentos intencionais, faz da sua casa uma igreja, faz do seu lugar de trabalho um campo missionário. É uma incansável mulher de Deus cheia de esperança. Tudo isso nos faz crer e se alegrar com os frutos que Deus tem produzido nestas terras do Sul do Brasil.

Mesmo em terras devastadas você pode esperar pela esperança: Cristo Jesus.

Pr. Hilton Júnior
Missionário de Missões Nacionais no Rio Grande do Sul

Primeira Igreja Batista em Nilópolis

Oportunidades de apresentar a esperança na Amazônia

Os desafios do campo missionário sempre foram e continuam sendo os mais diversos. Neste tempo, no qual enfrentamos uma pandemia, as crises aumentaram ainda mais, porém, neste mesmo momento, encontramos grandes oportunidades de servir.

Foi em um momento de grande sofrimento que o povo de Israel, conforme descrito em Êxodo 2:24, clamou e Deus enviou Moisés para conduzi-los para fora do Egito. Assim também aconteceu no momento de crise do povo amazonense – ele clamou a Deus e ações de compaixão e graça começaram a ser realizadas em todo o estado do Amazonas, através do S.O.S. Manaus.

Até o terceiro mês do ano já havia sido distribuídas, de maneira ordenada e direcionada, mais de 6.000 cestas básicas, totalizando 84 toneladas de alimentos; durante a entrega dessas doações, pudemos ver claramente a ação e o poder de Deus. Alcançamos uma família que mora em um local muito humilde e que, entre as muitas necessidades, uma delas se destacava: há cerca de um mês uma garotinha de 8 anos estava acamada, com fortes dores em sua perna. Depois de uma conversa com a família e avaliando toda a situação, percebemos que ela deveria ser levada ao hospital com urgência. Assim, colocamos a menina no carro, com sua tia, e as levamos ao hospital, onde foi rapidamente atendida e no mesmo dia foi submetida a uma cirurgia. O médico que a atendeu disse: “Ainda bem que vocês a trouxeram, pois se deixasse mais um dia ela poderia perder a perna”. Essa foi mais uma oportunidade que Deus nos deu, neste tempo, de alcançar pessoas com o amor de Deus e apresentar-lhes a verdadeira e única esperança para a humanidade: Cristo.

Mesmo em momentos de grandes crises, devemos aproveitar a oportunidade de declarar a Salvação por meio de Jesus, porque esta é a nossa missão.

Pr. André Matheus
Missionário de Missões Nacionais na Amazônia

Pastoral da PIB Nilópolis

Milagres de esperança no Cerrado Brasileiro

Que privilégio conhecer a única esperança deste mundo, o único nome que pode salvar. Como é gratificante ver que muitos têm sido alcançados em seus momentos de angústia e dor, e, em tempo oportuno, têm conhecido Cristo, a única esperança.

A única esperança para IACC (nome fictício), um menino que sofria agressões de seu padrasto e de seu pai biológico (que é pai de santo), foi encontrada quando ouviu o evangelho através dos missionários Maria Rebouças e Zito Neris, em Cuiabá (MT). Hoje, ele auxilia a missionária como professor do culto infantil. IACC sempre deseja agradar a Deus. A única esperança de uma mãe que foi abandonada com duas filhas, sem trabalho, por causa de problemas emocionais, despertou após encontrar Jesus através do trabalho missionário de Humberto e Giselle Santos, na periferia de Aparecida de Goiânia (GO). Hoje essa mãe tem Jesus em sua vida, tornou-se microempresária e apoiadora desse projeto de Plantação de Igreja. A única esperança para Donato, um ex-pai de santo que vivia atormentado, foi ouvir de Jesus através dos missionários Edmundo e Rosinelia Aragão, em Palmas (TO). Hoje ele já foi batizado e serve ao Deus vivo ao lado dos missionários.

A única esperança de Wilton, que já estava há 10 anos afastado do evangelho, foi ser resgatado por Jesus através do Relacionamento Discipulador dos seus vizinhos, o Radical Bruno César e sua esposa Letícia Frazão. A única esperança para o adolescente DM (nome fictício), que era adepto da seita Vale do Amanhecer, foi conhecer Jesus através dos projetos de esporte desenvolvidos pelos missionários Cleber Rodrigues e Maria Júnia naquela comunidade. Hoje DM serve somente a Jesus. A única esperança para Halana, quando viu sua filha de 3 meses internada vários dias com sérios problemas de saúde, foi fazer um voto com o Deus de quem ela só tinha ouvido falar. Ao ver a cura, ela foi procurar servos desse Deus vivo na sua localidade, Vão de Órfãos, em Cavalcante (GO), e encontrou seus missionários Paulo e Lídia Dias que lhe apresentaram em detalhes quem é o Deus que curou a pequena Maria Olívia. Hoje temos um projeto de Plantação de Igreja nesse mesmo lugar. A única esperança é Jesus! Onde existir um missionário, essa verdade será conhecida através dos Relacionamentos Discipuladores Intencionais.

Nada vai parar a obra que Deus quer realizar na região Centro-Oeste, no estado do Tocantins e em todo Brasil.

Pr. Samuel Neves
Missionário de Missões Nacionais na Região Centro-Oeste

Primeira Igreja Batista em Nilópolis

Levando a esperança para as mulheres nas drogas

Levando a esperança para as mulheres nas drogas De acordo com dados da Organização das Nações Unidas divulgados em setembro de 2020, o isolamento levou ao aumento das denúncias por violência doméstica: 33% em Singapura, 30% na França e 25% na Argentina. No Brasil não foi diferente. O país registrou 105.821 denúncias de violência contra a mulher, no ano passado, segundo relatório divulgado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Pelo fato de sermos missionários na Cristolândia, em São Paulo, essa violência contra a mulher não é uma novidade para nós, tampouco está limitada ao tempo da pandemia e dentro das casas. Em meio à multidão que vive nas cracolândias estão milhares de mulheres que sofreram e continuam sofrendo violência dos mais diversos tipos. Mulheres que foram defraudadas por pessoas em quem deviam confiar e, agora, vivem sem esperança e sem rumo. Sobrevivem nas ruas. Recentemente tivemos a oportunidade de acolher uma jovem senhora a quem chamarei de Aparecida. Usuária de drogas há mais de 25 anos, ela chegou a cursar alguns semestres da faculdade de Letras, mas o crack destruiu totalmente os seus valores e princípios. Ela foi parar nas ruas da Cracolândia e, quando já não tinha mais para onde ir, veio buscar comida na Cristolândia. Aqui, uma missionária conversou com Aparecida e orou pedindo a Deus que a fizesse ficar com nojo daquela droga e não sentisse mais vontade de usá-la. Deus ouviu aquela oração e, na semana seguinte, ela voltou para ser acolhida. Aparecida terminou o processo na Cristolândia, hoje é uma missionária Radical e ajuda outras mulheres a terem a vida transformada por Jesus. Servir a Jesus, que transforma a vida dessas mulheres e homens, é levar esperança também a milhares de outras pessoas que ainda estão buscando a oportunidade de uma nova vida.

Pr. Elbio Márquez
Missionário de Missões Nacionais em São Paulo

Ministério de Missões PIBN

PRIMAVERA ESPIRITUAL

A estação mais bonita do ano vai começar no dia 22 de setembro, mas em nossa Igreja ela começa no domingo 05 de setembro, lançamento da campanha de Missões Nacionais 2021 e início de um dos mais ousados projetos evangelísticos da Igreja na pandemia: o desafio de convidar uma pessoa (apenas uma) para vir aos nossos cultos dominicais. Sabemos que é uma missão complexa, mas perfeitamente factível se houver amor pelos que não conhecem a Jesus e boa vontade.

Certamente você tem muitos relacionamentos fora da Igreja, como vizinhos, colegas de trabalho, alunos da sua turma em salas de aulas, amigos da academia de ginástica e familiares, sim todos que ainda não fazem parte de uma Igreja Evangélica são nosso campo missionário e você, o agente de Deus mais próximo para fazer o convite. Feito o convite se ofereça para acompanhá-lo até o Templo, apresente-o aos irmãos, seja jovial, comunicativo e simpático em todo tempo, quem sabe o seu esforço seja o estímulo que precisam para conhecer Jesus, a verdade que liberta.

Esse projeto veio do ministério de Missões da Igreja. Irmão José Carlos e sua equipe estão trabalhando para fazer a melhor campanha missionária dos últimos anos, e eles entendem que se chegamos com a oferta aos mais distantes lugares do nosso maravilhoso país, porque não “missionar” tão perto, junto àqueles que partilham a nossa vida, mas ainda não têm a certeza da salvação? Já pensou como seria bom que seu melhor amigo também se tornasse um crente em Cristo Jesus? Seu vizinho, seu mecânico, seu moto taxista, o cara da padaria, enfim, tantos relacionamentos que podem produzir bons frutos para o reino de Deus.

A proposta é simples: você deve convidar pessoas para vir ao Templo em um culto dominical, claro que nem todas estarão receptivas, mas a grande maioria sim, então lance a sua semente com fé e confie que os resultados serão para glória do nome de Deus e para o bem daqueles que forem alcançados. Você deve se desafiar a cada domingo de setembro trazer pelo menos um, se puder trazer mais será ótimo. Se o santuário ficar pequeno, vamos improvisar televisões em outros lugares para que todos possam ser abençoados.

Lembre-se, a primavera é a estação mais bonita do ano e ela será ainda mais bela se plantarmos a palavra de Deus no coração daqueles que ainda não conhecem a Jesus como você conhece.

Ministério de Missões da PIBN

José Carlos Dias de Freitas

A VIDA “NADA PRECIOSA” DE UM MISSIONÁRIO

“Quando a vida se resume à própria missão.”

Próximo da sua morte, o apóstolo Paulo mostra que o grau de importância da sua vida está exclusivamente no cumprimento do seu ministério. “Mas em nada tenho minha vida por preciosa, conquanto que cumpra com alegria a carreira que me está proposta.” Atos 20:24. Ele fez essa afirmação na iminência de sua prisão.

Ontem foi celebrado o dia do missionário batista. Esses homens e mulheres têm um diferencial, e não é apenas serem portadores de uma mensagem, mas testemunhas dela, pois são a própria “carta de Cristo.” É gente que abandonou sonhos, seguindo os desígnios de Deus. Pessoas que deixaram aos cuidados dele a sua segurança e seu novo CEP, tornando-se coadjuvante da sua história.

Ao contrário do que ensina o apóstolo Paulo, para muitos a vida é curta, e devemos nos tornar pessoas realizadas, em busca do melhor para nossas famílias e garantir a tão sonhada prosperidade. Nada disso é pecado, se não tornarmos este desejo o objetivo da nossa vida, pois BUSCAR O REINO DE DEUS E A SUA JUSTIÇA, deve ser o ideal de todos, mas os missionários fizeram desta bandeira o seu estilo de vida.

Hoje celebramos a Deus a vida dos nossos amados missionários Pastor Edvaldo Júnior e sua esposa Lilian no Tocantins, Pastor Nazareno e sua esposa Maria do Rosário em Resende, Pastor Luiz Baeta e sua esposa Euzilane em Santa Catarina e o Pastor Alejandro e sua esposa Raíssa na França. Homens e mulheres que por um tempo estiveram conosco, mas em obediência ao Senhor seguiram para os campos afim de cumprirem com alegria a carreira e o ministério que receberam do Senhor Jesus para dar testemunho do evangelho da graça de Deus em todos os Continentes da Terra.

Eles de fato levam uma “vida nada preciosa”, mediante os valores que o mundo reputa como prosperidade e sucesso. A eles a nossa gratidão a Deus, e que sigam em frente cumprindo o seu ministério.

Diácono José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo da PIBN.

José Carlos de Freitas

“Viva o poder de transformar.”

“..Deus não nos deu o espírito de temor..mas de equilíbrio” II Tm 1:7

Atualmente o mundo vive em extremos perigosos. Há uma divisão nítida em vários setores da sociedade.
Todo o excesso é insensato. Decisões extremadas demonstram irresponsabilidade – tanto o exagero da coragem quanto a falta dela, por exemplo. Portanto, o equilíbrio é sempre recomendável em todas as instâncias da vida. Como igreja de Cristo, precisamos trazer conosco, e nunca perder de vista, a sensatez e o equilíbrio, que são exemplos para vida. Pv. 3:21 e 22. Ser moderado nos conduz às ponderações necessárias à vida sem, no entanto, perder o alvo proposto: cumprirmos a vontade de Deus. Paulo teve uma vida intensa com grande demonstração de afeto pelos seus irmãos, viveu pelo poder do Espírito, e ensina que Timóteo deveria pautar-se pelo equilíbrio e a temperança em suas decisões e relações comunitária.

A sobriedade e a mansidão de Paulo permeiam a carta, ainda que Timóteo enfrentasse os resistentes, deveria demonstrar por eles graça e misericórdia, que é o equilíbrio nas relações. Conservar a palavra de Deus em nós sempre nos conduzirá e, nos unirá em torno de um propósito, para cumpri-lo de forma equilibrada. Os danos causados pela pandemia na economia mundial não foram suficientes para o retorno de sequer um missionário do campo. Tivemos uma perda significativa de 40% das ofertas em razão da desvalorização do euro e do dólar, que perdeu seu poder de aquisição. Por um grande milagre, abrimos mais igrejas fora do Brasil do que dentro dele. Saímos de uma campanha missionária com a proposta realizada, que é de informar à igreja dos desafios que acontecem no mundo; e trazer à memória da PIBN o que ela é: a manifestação de Deus na humanidade.

Temos parte em todos os programas e projetos da Junta de Missões Mundiais, mantidos pelos Batistas brasileiros, com nossas ofertas e orações.Há 2000 missionários espalhados nos 85 países, nos cinco continentes, que têm levado esse evangelho ao mundo. Entre os 10 países mais pobres do mundo, os batistas brasileiros, através da JMM, estão em 7 deles. Deus nos capacitou, de maneira que o seu Espírito cheio de poder, coragem, amor e equilíbrio, manifestasse suas virtudes em nós. “Viva o poder de transformar”, com equilíbrio nas relações.

José Carlos de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo PIBN

José Carlos de Freitas

Viva o poder de transformar com amor

“..Deus não nos deu o espírito de temor..mas de amor” II Tm 1:7

“Até o último homem”. Trata-se da história real de Desmond T. Doss, que foi retratada em filme. Desmond era um médico do exército americano que vai à segunda guerra e se nega a usar armas. Durante a batalha de Okinawa, ele salva 75 soldados feridos, retirando-os da linha de tiro inimiga. Seu trabalho como médico mostrou-se tão relevante quanto os que dizimavam os inimigos com suas potentes armas. Desmond foi condecorado com honras pelos relevantes serviços prestados na salvação de tantos, sem disparar um tiro. A bíblia diz que “o verdadeiro amor lança fora o medo.”, IJo 4:18. Desmond deixou o medo, muniu-se de coragem e amor. Seu empenho no resgate e cuidado aos feridos proporcionou-lhes salvação.

Transformar o mundo passa a ser uma grande utopia, se não enxergamos no contexto bíblico o próximo como nossa responsabilidade. Somente com o poder do Espírito Santo estamos habilitados a amar, e contribuir na transformação do entendimento dos que estão mortos e cegos espiritualmente. Atualmente, nos dias em que a ordem é nos cuidar, precisamos transformar o “amai-vos uns aos outros..”, em ações práticas de amor. Tal como Desmond, Paulo, o apóstolo, submeteu-se ao risco voluntário e incalculado, em razão do amor pelos irmãos, aqueles que deveriam provar da salvação, II Tm 2:10.

Somos orientados pela palavra de Deus ao caminho da fé, do amor, da paz, da busca de um coração puro, sem contendas, de mansidão e aptidão ao ensino. Portanto, “conhecemos o amor nisto: Que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.” IJo 3:16. Enquanto Desmond resgatava seus amigos da morte em pleno os tiros inimigos, fazia a seguinte oração: “Deus, ajude-me a ajudar só mais um.” Viva o poder de transformar com amor, para cuidar do outro.

José Carlos de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo

José Carlos

Viva o poder de transformar com coragem

“..Deus não nos deu o espírito de temor..” II Tm 1:7

Quando pensamos em uma vida de coragem, nos lembramos de personagens bíblicos relevantes. Paulo, o apóstolo, é uma referência. Nele encontramos a definição de uma vida corajosa. Não se trata de virtude humana, que se firma na força do braço, ou se estriba em seu próprio entendimento. Mas, é o próprio Cristo, sendo formado em nós, que compartilha conosco essa sua virtude.
No caminho de Damasco, Paulo foi profundamente afetado por Jesus, a quem perseguia. Sua vida se resumiu em pregar a Cristo, fugir de perseguidores e ser preso. Sofreu apedrejamento, ameaças, prisões, naufrágios, açoites, abandono e, trazendo consigo a tristeza no seu consentimento na morte de Estêvão. Devemos viver a profundidade e a gravidade de uma vida na dimensão da vocação que recebemos.
Somos pelo apóstolo inspirados, não à busca do sofrimento, mas de um compromisso incisivo com Cristo. As perseguições e aflições acontecem à medida que vivemos um Reino que não é desse mundo.
A coragem leva Paulo a assumir seu papel no mundo. – II Tm 1:9 “Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação;” Jesus esclareceu aos discípulos que eles sofreriam perseguições. Portanto, precisavam de algo além da sua boa vontade, ou o ímpeto na conquista dos campos brancos para a ceifa, para cumprirem seu chamado. Eles precisavam do “poder para testemunhar..” At 1:8.
Há aqueles que, por vocação, vão aos campos missionários por um curto período. Outros dedicam suas vidas, como a missionária Analzira Nascimento, já por longos 44 anos no campo, sendo 17 deles em Angola.
Paulo mostrou ao jovem Timóteo que precisava se posicionar em benefício dos seus irmãos: “Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna.” v. 10. Nossa coragem deve colaborar para levar o homem à paz com Deus.
Há no mundo, três mil povos nos quais não há sequer uma pessoa convertida.
São cerca de três bilhões de pessoas, ainda não ouviram o evangelho. Na Ásia, 60% da população não conhece a Cristo. Há partes do mundo onde a alfabetização é inferior a 30%, e a estratégia é a distribuição de bíblias em áudio para esses povos.
Nossa vocação não se sustenta a partir das demandas no mundo, nem se firmam em emoções fugazes, mas no cumprimento do propósito.
Venceremos as barreiras na vida com a coragem do Espírito. Por isso, somos orientados pela palavra de Deus a abandonar o medo, e submeter nossa vida a Ele, independente dos riscos da rejeição.
A coragem nos foi dada para cumprirmos o nosso propósito no mundo.

Min. José Carlos
Ministério de Missões e Evagelismo

Ministro José Carlos

“Viva o poder de transformar”

Temos como igreja mais uma oportunidade de servir ao Senhor, dessa vez, através da campanha de missões mundiais 2021, cujo objetivo é sermos despertados, e atendermos ao chamado missionário além de nossas fronteiras, fazendo discípulos de todas as nações. Nesse período, compartilharemos desafios e conquistas da evangelização mundial.

Somos desafiados a viver o poder de transformar, enquanto há países completamente fechados ao evangelho, como a Coréia do Norte, que desde o ano de 2002 ocupa a lamentável posição de 1º colocada no mundo, no quesito perseguição aos cristãos.

Estima-se que nesse país, há de 50 a 70 mil cristãos presos em condições precárias, por declararem sua fé. Eles retratam fielmente os discípulos de Jesus. Como Paulo, o apóstolo, que, enquanto preso em Roma, escreve ao jovem Timóteo: “sofre comigo as aflições de Cristo..”, pois os que estão em Cristo padecerão perseguição.

A perspectiva de Paulo era um evangelho que manifestava o poder de Deus, que liberta das trevas, e traz perdidos para a Luz, transformando seu entendimento, renovando suas esperanças.
A vida acontece em meio às transformações. Por isso, Jesus diz sobre a semente que ao cair na terra deve morrer, caso contrário, não geraria vida e frutos, perdendo sua finalidade. Ele falava de sua morte, que estava sob o propósito do Pai, e, com isso, atrairia muitos até ele.

Durante este mês, buscaremos cooperar para que a igreja refine sua consciência missionária; que entenda a perspectiva da evangelização a partir de seu propósito no mundo.
Paulo constrange nosso coração quando diz que a igreja de Cristo conhece a condição de sofrimento da humanidade “..que geme e está com dores de parto até agora.”, e, diante desse quadro, a criação “..aguarda a manifestação dos filhos de Deus”. A manifestação da igreja ao mundo é feita mediante as virtudes de Cristo. Embora façamos muito, sejamos operosos, se não formos confundidos com o Cristo, não “cairemos na graça do povo.”

Assim como Moisés, somos canal de Deus para a libertação de muitos que estão entregues à servidão. Portanto, as mais de 2 bilhões de pessoas que nunca ouviram do evangelho de Cristo, que sequer possuem uma folha da bíblia ou representatividade cristã onde moram, precisam viver esse poder que transforma suas vidas.

Viver o poder de transformar é submeter-se à condução do Espírito; é ter a compreensão plena do nosso papel diante de um mundo caído e rebelde, mas que é alvo do amor de Deus.
Viver o poder é termos entendimentos, estilos de vida, princípios, relações, transformados à luz do Espírito de Deus, a fim de sermos testemunhas, em todo o tempo, em todos os lugares, buscando alcançar todas as pessoas com o evangelho.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões&Evangelismo