Posts

header-31out21

Sob o olhar do Pastor

“Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas…” Mt 9:36.
Em meio às suas peregrinações, Jesus entrava e saia das cidades onde ensinava, pregava o evangelho e curava as moléstias entre o povo.

Um dos sentidos mais caros ao ser humano é poder ver. Portanto, ao lançar o seu olhar às multidões, Jesus é movido de compaixão por ela. Ele tira o extrato de quem eram: “ovelhas desgarradas e errantes, que andavam sem um pastor”.

O amor não apenas o impeliu à multidão, mas Jesus se fez oferta por ela. Ele a enxergava sob o olhar de um Deus sensível, inclinado a minimizar suas dores, e transformar sua condição espiritual.

Assim como à época, hoje não faltam religiosos, tampouco templos. Em Jerusalém eram cerca de 400 sinagogas e os líderes se multiplicavam. Mas, por alguma razão, Jesus afirma que ainda faltavam “trabalhadores para a sua seara”.

Dia 02 de novembro estaremos no cemitério de Olinda, para levantarmos os olhos e vermos as mesmas multidões de “ovelhas desgarradas e errantes”, que Jesus assistia e nos compadecermos dela.

Gente que padece por não haver sobre suas vidas um olhar pastoral como o de Cristo.
Pessoas de quem Jesus diz: “Ainda tenho ovelhas que não são deste aprisco, também me convém agregar estas [...] e haverá um rebanho e um Pastor.” Jo 10:16.

A obra de Cristo foi concluída no mundo, e carece que hoje as multidões continuem sendo alvos do olhar de compaixão e graça da igreja.

Jesus não aguarda que membros de igreja exerçam sua atividade religiosa, mas que seu povo manifeste misericórdia em face da condição degradante que muitos vivem em nossa cidade.
Portanto, hoje, somos o fruto dos rogos por “trabalhadores para a sua seara”. Então, vejamos as multidões sob o olhar do Pastor – Cristo.

José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões&Evangelismo

header-17out21

ATÉ O ÚLTIMO HOMEM

Em janeiro de 2017 o ator e diretor de cinema Mel Gibson fez o lançamento de mais um dos seus grandes filmes. Dessa vez o contexto não se deu na terra santa, como no sucesso A Paixão de Cristo (2004), mas em Okinawa, durante a Segunda Guerra Mundial. O diretor utilizou-se da história real do socorrista do Exército dos Estados Unidos, Desmond T. Doss que recusou, por princípios de sua fé, a pegar em uma arma para matar pessoas. Essa história parece bonita, porém, não suficiente para despertar a atenção de espectadores em todo o Mundo. O que então motivou o investimento nessa obra cinematográfica? A resposta não está na recusa de Doss em pegar em armas, mas em sua vitória, mesmo desarmado! Durante a Batalha de Okinawa ele resgatou e salvou mais de 75 homens. O que fez de Doss o primeiro opositor consciente da história norte-americana a receber a Medalha de Honra do Congresso.

Na última terça-feira, dia 12 de outubro, algumas dezenas de “soldados” da PIBN foram para as ruas do município de Nilópolis com o mesmo sentimento de Doss, resgatar ATÉ O ÚLTIMO HOMEM! Além do mesmo sentimento compartilhado, outro ponto em comum desses soldados foi que eles também não pegaram em armas, “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas” 2 Coríntios 10:4.

Esses soldados pertencem ao maior e mais poderoso exército existente na Terra! E o mais incrível de tudo isso é que ele está recrutando! Por isso, você que ficou interessado em participar desse grande e valioso batalhão verifique as exigências abaixo e se disponha ao trabalho:

- Idade: Ter discernimento entre certo e errado;
- Sexo: Ambos;
- Classe econômica: Todas;
- Experiência: Ser convertido a Jesus;
- Próximo combate: 02/11/2021.

Informações Gerais: Apresente-se ao Ministro José Carlos de Freitas até o dia do combate, munido de coragem e fé, certo que: “aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.” João 14:26

Pastor Edgar Senna Rangel
@pr7edgar

José Carlos Dias de Freitas

A VIDA “NADA PRECIOSA” DE UM MISSIONÁRIO

“Quando a vida se resume à própria missão.”

Próximo da sua morte, o apóstolo Paulo mostra que o grau de importância da sua vida está exclusivamente no cumprimento do seu ministério. “Mas em nada tenho minha vida por preciosa, conquanto que cumpra com alegria a carreira que me está proposta.” Atos 20:24. Ele fez essa afirmação na iminência de sua prisão.

Ontem foi celebrado o dia do missionário batista. Esses homens e mulheres têm um diferencial, e não é apenas serem portadores de uma mensagem, mas testemunhas dela, pois são a própria “carta de Cristo.” É gente que abandonou sonhos, seguindo os desígnios de Deus. Pessoas que deixaram aos cuidados dele a sua segurança e seu novo CEP, tornando-se coadjuvante da sua história.

Ao contrário do que ensina o apóstolo Paulo, para muitos a vida é curta, e devemos nos tornar pessoas realizadas, em busca do melhor para nossas famílias e garantir a tão sonhada prosperidade. Nada disso é pecado, se não tornarmos este desejo o objetivo da nossa vida, pois BUSCAR O REINO DE DEUS E A SUA JUSTIÇA, deve ser o ideal de todos, mas os missionários fizeram desta bandeira o seu estilo de vida.

Hoje celebramos a Deus a vida dos nossos amados missionários Pastor Edvaldo Júnior e sua esposa Lilian no Tocantins, Pastor Nazareno e sua esposa Maria do Rosário em Resende, Pastor Luiz Baeta e sua esposa Euzilane em Santa Catarina e o Pastor Alejandro e sua esposa Raíssa na França. Homens e mulheres que por um tempo estiveram conosco, mas em obediência ao Senhor seguiram para os campos afim de cumprirem com alegria a carreira e o ministério que receberam do Senhor Jesus para dar testemunho do evangelho da graça de Deus em todos os Continentes da Terra.

Eles de fato levam uma “vida nada preciosa”, mediante os valores que o mundo reputa como prosperidade e sucesso. A eles a nossa gratidão a Deus, e que sigam em frente cumprindo o seu ministério.

Diácono José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo da PIBN.