Posts

José Carlos Dias de Freitas

A VIDA “NADA PRECIOSA” DE UM MISSIONÁRIO

“Quando a vida se resume à própria missão.”

Próximo da sua morte, o apóstolo Paulo mostra que o grau de importância da sua vida está exclusivamente no cumprimento do seu ministério. “Mas em nada tenho minha vida por preciosa, conquanto que cumpra com alegria a carreira que me está proposta.” Atos 20:24. Ele fez essa afirmação na iminência de sua prisão.

Ontem foi celebrado o dia do missionário batista. Esses homens e mulheres têm um diferencial, e não é apenas serem portadores de uma mensagem, mas testemunhas dela, pois são a própria “carta de Cristo.” É gente que abandonou sonhos, seguindo os desígnios de Deus. Pessoas que deixaram aos cuidados dele a sua segurança e seu novo CEP, tornando-se coadjuvante da sua história.

Ao contrário do que ensina o apóstolo Paulo, para muitos a vida é curta, e devemos nos tornar pessoas realizadas, em busca do melhor para nossas famílias e garantir a tão sonhada prosperidade. Nada disso é pecado, se não tornarmos este desejo o objetivo da nossa vida, pois BUSCAR O REINO DE DEUS E A SUA JUSTIÇA, deve ser o ideal de todos, mas os missionários fizeram desta bandeira o seu estilo de vida.

Hoje celebramos a Deus a vida dos nossos amados missionários Pastor Edvaldo Júnior e sua esposa Lilian no Tocantins, Pastor Nazareno e sua esposa Maria do Rosário em Resende, Pastor Luiz Baeta e sua esposa Euzilane em Santa Catarina e o Pastor Alejandro e sua esposa Raíssa na França. Homens e mulheres que por um tempo estiveram conosco, mas em obediência ao Senhor seguiram para os campos afim de cumprirem com alegria a carreira e o ministério que receberam do Senhor Jesus para dar testemunho do evangelho da graça de Deus em todos os Continentes da Terra.

Eles de fato levam uma “vida nada preciosa”, mediante os valores que o mundo reputa como prosperidade e sucesso. A eles a nossa gratidão a Deus, e que sigam em frente cumprindo o seu ministério.

Diácono José Carlos Dias de Freitas
Ministro de Missões e Evangelismo da PIBN.

Meditacoes Missionarias

O discípulo como agente de transformação e vida

Ser cristão comprometido com a Grande Comissão é
ser agente de transformação, é ser discípulo que gera
discípulo. “Erguer os olhos e ver os campos brancos
para a colheita” (Cf. João 4.35) é ser sensível ao clamor
da nossa gente, da nossa terra, é prontificar-se em levar
a esperança que traz sentido à vida – JESUS É A ESPERANÇA.
O desafio, enquanto discípulos de Cristo, não
consiste em construções faraônicas de megatemplos e
impérios eclesiásticos, mas em que “(…) a graça de Deus
se manifestou salvadora a todos os homens”(Tito2.11).
Portanto, querido leitor, como pessoas já alcançadas
por esta graça, somos discípulos. Logo, somos agentes
de transformação comissionados para compartilhar
vida na vida.
O evangelho de Cristo, ou o cristianismo em si, não
pode ser visto como uma filosofia, religião ou um compêndio
teológico. Não pelo discípulo dele. O discípulo
de Cristo, enquanto agente de transformação e vida, vê
o cristianismo como estilo de vida, como projeto de autoria
divina para restaurar o que o pecado danificou – O
HOMEM.

Walmir Andrade
Pastor da 2ª IB em Palmas (TO)